[...]
A multissecular tradição da Universidade de Coimbra (UC)
manda que os seus ilustres Mestres sejam lembrados du­
rante as suas exéquias com um discurso que, ainda que
breve, possa honrar publicamente a sua vida académica.
A maioria dos que até este momento pronunciaram dis­
cursos neste lugar fez o elogio deste costume antigo,
mas a mim, encarregado que fui pelo meu director para
este
mister
, parece­me que a cerimónia a que assistimos,
e sobretudo a vossa presença, são o maior contributo e
testemunho que se poderia almejar no reconhecimento
público devido à Senhora Professora Doutora Maria Ire­
ne de Oliveira Costa Bettencourt Noronha da Silveira.
Pareceu­me conveniente citar do discurso fúnebre pro­
ferido por Péricles, em 430 A.C., aqui transcrito pela
leitura do “Legado Político do Ocidente (O Homem e o
Estado)”, do Professor Adriano Moreira, o seguinte:
De acordo com as nossas leis, somos todos iguais no
que se refere aos negócios privados.
Quanto à participação na sua vida pública, porém, cada
qual obtém a consideração de acordo com os seus mé‑
ritos e mais importante é o valor pessoal que a classe
a que se pertence.
E, seguindo este preceito, importa começar no início,
como diria “La Palisse”:
A Senhora Professora Doutora Maria Irene Noronha da
Silveira nasceu em Leiria, a 27 de Setembro de 1 44,
e cedo demonstrou notáveis capacidades de inteligên­
cia. Não será por isso de estranhar que todos os seus
professores de então tenham recomendado a seus pais
a vinda para a Universidade. E, de facto, não estavam
equivocados: a Licenciatura em Farmácia pela UC seria
concluída em Outubro de 1 71, com média final de 17
valores: a melhor média desse curso.
Na Faculdade de Farmácia da Universidade Compluten­
se de Madrid, em Maio de 1 77, apresenta a disser­
tação intitulada “Estudio del Contenido Vitaminico de
Alimentos Infantiles”, com que conclui o seu doutora­
mento. Também aí a classificação obtida é reveladora:
“Sobresaliente cun Laude”, por unanimidade.
Finalmente, e no que a provas públicas diz respeito,
apresentou­se a provas de Agregação em Farmácia,
subgrupo de Química Analítica do 1º Grupo (Ciências
Químicas e Fisico­Químicas) em Outubro de 1 4, ten­
do, também, sido aprovada por unanimidade.
Na sua carreira de docente universitária, foi progredindo
paulatinamente de categoria em categoria até atingir o
topo: Professora Catedrática, em Maio de 199 5. Enquan­
to docente, foi responsável pelas unidades curriculares de
Bromatologia e Análises Bromatológicas
,
Higiene e Saú­
de Pública, Hidrologia e Análises Hidrológicas
,
Nutrição e
Dietética e Controlo de Medicamentos em Alimentos.
Mas não se julgue que durante todo esse período ape­
nas desenvolveu actividade docente. Não. A sua mo­
tivação pelo desenvolvimento científico, sagacidade e
busca incessante de desafios, levaram­na a constituir
um grupo de investigação na área da Bromatologia, no
Centro de Estudos Farmacêuticos da Fundação para a
Ciência e Tecnologia. Foram muitos os projectos de in­
vestigação que liderou e em que participou, fossem de
âmbito nacional ou internacional, sendo de destacar o
projecto europeu EC-Flair “In Vitro Toxicological Studies
and Real Time Analysis of Residues in Food”, entre Ja­
neiro de 1 2 e Dezembro de 1 4.
Fruto dessa sua actividade científica, apresentou, como
autora e co­autora, mais de 500 comunicações em con­
gressos nacionais e internacionais e proferiu mais de 50
conferências por convite, sobretudo em Portugal e em
Espanha, onde, não raramente, era apresentada como “A
Senhora Bromatologia”. É, também, autora e co­autora
de mais de 150 artigos publicados em revistas científicas
Cumprindo a tradição da Universidade de Coimbra
Discurso em memória da Professora Doutora Maria Irene de
Oliveira Costa Bettencourt Noronha da Silveira
tífica e à profissão, o seu elevado mérito, amplamente
reconhecido, e o seu extraordinário contributo para a
valorização da actividade farmacêutica em Portugal e
para o prestígio da OF constituem referências e exem­
plos para todos os farmacêuticos portugueses e, em
particular, para os mais jovens”, acrescentou.
Além da OF, várias outras entidades, nacionais e inter­
nacionais, reconheceram o seu mérito científico. Aca­
démica numerária da Academia Ibero­Americana de
Farmácia, académica correspondente da Real Acade­
mia de Farmácia de Espanha, delegada nacional da Fe­
deração das Sociedades Europeias de Química Clínica
e representante portuguesa na Divisão de Alimentos
e Química da União Internacional de Química Pura e
Aplicada, são algumas das suas principais distinções a
nível externo, que se juntam à atribuição da Grã­Cruz
da Ordem de Mérito Pedro Álvares Cabral, em São
Paulo, no Brasil.
1,2,3,4,5,6,7 9,10,11,12,13,14,15,16,17,18,...108